Rss Feed
  1. Meu jeito Liz Lee de ser

    sábado, 20 de junho de 2015


    @barbarelice

    Life sucks, but it’s okay.  Isso é o que Liz diria pelo dia de hoje, mas a vida continua e ainda assim existirão dias bem piores, temos duas opções, ou fugimos pela janela do desconhecido da covardia, ou enfrentamos de frente.  Escolhi por motivos desconhecidos até por mim, que eu levantaria minha cabeça e reconheceria quem eu sou sem nenhuma vergonha, não tem por que sentir-se envergonhado de quem você é! Foi pensando assim, que mesmo com muita dor muscular, levantei da cama e coloquei uma das minhas roupas favoritas para brilhar, bom não exatamente brilhar, porque não tinha uma variação muito grande de cores, mas dá pra entender o quê de tudo isso.

    Fui andando para a Missa e finalmente, depois de um mês inteiro, consegui dar um sorriso verdadeiro só de olhar para o céu azul e tão cheio de sol como nunca antes, só de ter o vento brincando com meus cabelos, só de ser mais um dia dessa vida que temos que lidar. Eu fui feliz, e senti paz, por ser quem eu sou. Com meus fones bem colocados, liguei o play do meu celular para escutar Transatlanticism – Death Cab for Cutie, e me senti no meu céu, aquele paraíso que a gente geralmente projeta quando tudo fica ruim e só queremos desaparecer. E assim como Liz fiz as coisas do meu jeito, encarei as coisas da minha maneira, enterrei minha baixa estima e sorri.

    Assim como a Liz eu crio expectativa sobre coisas e sobre pessoas que talvez eu nunca devesse criar, eu provavelmente devia ter a manhã de hoje como um lema para o resto da minha vida, ser feliz quando acontecerem coisas felizes, por menor que seja, sorrir somente quando for fora de controle sorrir, não por educação ou constrangimento, somente sorrir. Ter uma vida leve e bonita, e talvez assim como a Liz eu entenda que está tudo bem não estar bem de vez em quando e negar as coisas que acontecem a sua volta só porque são ruins não é um jeito muito saudável de se viver.

    E percebi que o que é mais parecido com a Liz é o conceito de Família.

    Porque às vezes família não são aquelas pessoas que você nasceu rodeada, que tem o mesmo sangue que você ou até o mesmo sobrenome. Família é quem você escolhe para estar ao seu lado em todos os momentos, aqueles que não te abandonam por nada, aqueles que são capazes de ouvir seu choro há milhas e milhas de distância, e correrem pra te ajudar. Família é quem daria a vida e até sacrificaria a própria felicidade pra te ver feliz. Família como dizia a Lilo quer dizer nunca mais esquecer ou abandonar.  Eu tenho minha família, e os amo muito, é muito triste admitir que  poucos tem meu sobrenome, eles não me julgam, ou criticam de forma destrutiva, eles não zombam de mim ou tem “vergonha” de andar comigo. Eles respeitam e amam minha arte, minha forma de me expressar. Eles não falam mal de mim ou até mesmo me traem. Eles erram, mas eu também.

    E por mim, por eles, e por Liz eu decidi sorrir quando falar de mim mesma, decidi me amar mais, e mais! Decidi mandar quem achar minha diferença estranha, pra bem longe de mim.





    May the force be with you. It’s with me. 


    Ps: Se quiserem conhecer a Liz, só assistir My Life as Liz.
    Reações: 
    |
    | |


  2. 4 comentários:

    1. Luana Matos disse...

      Você escreve maravilhosamente bem. Lindo texto ♥

    2. Que bom que gostou Derso <3

    3. Obrigada Lu, existem coisas que simplesmente jorram pra fora da gente ♥

    Postar um comentário